Porto Velho

A cidade surgiu com a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, por onde escoou até o Oceano Atlântico, o látex brasileiro e boliviano nos áureos tempos do ciclo extrativista da borracha.

Apesar da sua histórica tragédia, a Ferrovia teve papel fundamental no desenvolvimento econômico de Rondônia, além de importância para o Brasil, já que através dos acordos assinados, o país teve a definição definitiva da sua fronteira com a Bolívia, com a posse da região que hoje corresponde ao Acre.

Com os diversos ciclos econômicos que se seguiram ao Ciclo da Borracha (da cassiterita e do ouro), a cidade foi se desenvolvendo e absorvendo um grande contingente de migrantes, característica aliás que persiste até hoje, quando permanece o afluxo de trabalhadores, desta vez influenciado pela construção de grandes hidrelétricas.
Em 2011 a cidade vive um ciclo de desenvolvimento com ampliação de sua área urbana, criação de novas empresas e surgimento de centenas de empregos, tornando o Estado o segundo na menor taxa de desemprego no Brasil. No entanto ainda é uma região de pouco apelo turístico e a sua capital não dispõe de muitas atrações.

Estando por lá é possível conhecer

Complexo Madeira-Mamoré

Desativados definitivamente em 1972, após protagonizar momentos trágicos, de glória e, por fim, de abandono, encontrei em processo de revitalização os galpões e as locomotivas que operavam na Ferrovia. A proposta é abrigar em um dos galpões, oficinas de teatro, música, artesanato e artes, em geral. No outro, um centro de convenções.

Interessante seria se alguma das locomotivas que estão no pátio, voltasse a funcionar percorrendo uma pequena parte dos antigos trilhos, em um divertido passeio de retorno ao passado.

Locomotiva 18 da Ferrovia Madeira-Mamoré. A locomotiva 17, semelhante a esta, está em exposição no centro da Praça Madeira-Mamoré da cidade de Guajará-Mirim/RO.
Onde: Av. Farquar, s/n

As três Marias

São três caixas d’água importadas dos EUA entre 1908 e 1912 (vieram em kits e aqui foram instaladas). Os reservatórios de água potável, com capacidade média de 200 mil litros cada um, abasteceram a cidade até 1957. Quatro colunas de ferro feitas em treliça sustentam cada uma das 3 caixas de forma cilíndrica. O monumento figura tanto na bandeira quanto no brasão do município de Porto Velho.

Onde: Praça das Caixas d’Água(Entre Av. Carlos Gomes e Av. Rogério Weber)

 

Catedral Metropolitana Sagrado Coração de Jesus

A Catedral foi construída no início do século 20. Seu altar mor confeccionado em São Paulo por artistas italianos, utilizando mármore de Carrrara.

Onde: Rua D. Pedro II

Palácio do Governo Getúlio Vargas

Sede do Executivo Estadual de Rondônia.

Esquinas de Porto Velho

  • Seminário Maior João XXIII

Funcionou nesse prédio há alguns anos o Colégio Dom Bosco, porém hoje além de abrigar um seminário, funciona nas instalações do prédio a Faculdade Católica.

  • Universidade Federal de Rondônia-UNIR (Unidade Administrativa)

No passado funcionava no prédio o Porto Velho Hotel, que hospedou pessoas ilustres como o ex-presidente da república Getúlio Vargas (na década de 1940).

Mercado Central

Onde você pode encontrar frutas típicas da região, peixes, ervas medicinais, entre outros artigos.

O Porto Graneleiro

2010

Faz parte do corredor de exportação de grãos, principalmente a soja, que vem do sul do Estado e do Mato Grosso. A soja in natura embarcada em Porto Velho segue a Itacoatiara, de balsa, e de lá em navios para a América do Norte, Europa e Ásia. Além de grãos e outras mercadorias, como a madeira, o porto também escoa os produtos da cadeia de carne e laticínios.

A partir de 2010 começaram as obras da construção da ponte sobre o rio Madeira, ligando Porto Velho ao estado do Amazonas.

2011

Atualização (Março/2012)
Aos poucos a paisagem vai sendo modificada.

Atualização (Outubro/2014)
A Ponte sobre o rio Madeira foi inaugurada. Depois de toda uma vida atravessando em balsas, a população que utiliza a BR 319 do estado do Amazonas para a cidade de Porto Velho finalmente fará a travessia na nova ponte que cruza o Madeira.

Porto do Cai n’Água

É de onde partem embarcações que fazem o trajeto até Humaitá, Manicoré e Manaus, como também localidades  no Baixo Madeira. Na verdade é um atracadouro improvisado, necessitando de reformas.

Atualização (outubro/2012)

Em 07/2012 foi inaugurado o novo Porto.

Add Comment

Required fields are marked *. Your email address will not be published.