Navegando no Canal de Beagle

Esse estreito com mais de 240 km de comprimento liga o Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico. O nome é uma homenagem ao navio de Robert Fitz Roy que no século 19 levou à região o naturalista Charles Darwin.

O Canal de Beagle separa a Ilha Grande da Terra do Fogo de várias ilhas pequenas mais ao sul e sua parte oriental define a fronteira entre a Argentina e o Chile. Nas suas águas estão as ilhas dos pássaros e dos Lobos, além da Pinguinera e o Farol Les Eclaieurs.

…No Muelle (Porto Turístico de Ushuaia) enquanto aguardava o embarque, fiquei observando o movimento. Algumas pessoas chegavam de algum cruzeiro, a julgar pelo tamanho de suas malas. Porém, a grande maioria estava ali para navegar pelo Canal de Beagle.

…Aos poucos, fomos nos afastando do cais e logo começávamos a ver uma das famosas imagens de cartões-postais de Ushuaia: As grandes montanhas com seus picos nevados, tendo à frente a harmoniosa arquitetura da cidade e no Porto, veleiros e transatlânticos.

…Saboreado o delicioso café com leite e alfajor, fiquei do lado de fora do barco, apesar daquele vento gelado em meu rosto. A primeira parada foi junto a uma pequena ilhota, onde se encontravam folgados leões marinho e vários cormoranes, aves parecidas com pinguins, mas que voam.

…Mais adiante encontramos o famoso Farol de Ushuaia (Faro Les Eclaireus).

…Do alto falante a voz do guia informava que do outro lado da margem já era território chileno, Puerto Williams, Ilha Navarino. Williams é a principal base naval chilena da região e já foi motivo de disputa entre a Argentina e o Chile até os anos 80 (século 20).

Em 1978, a Argentina chegou a enviar sua esquadra para a batalha pela posse de ilhas do Canal de Beagle. Porém, uma tempestade atrasou o conflito, dando tempo suficiente para que fosse aceita a mediação do Papa (tempestade divina?) que decidiu a favor do Chile, confirmando o laudo arbitral que já existia. Um plebiscito na Argentina acatou a decisão e findou a questão em 1984.

…Mas o meu interesse estava à minha frente, no pedacinho de terra que enxergava no horizonte. Aos poucos fomos aproximando, era o final da rota, tínhamos à nossa frente a Pinguineira.

Pinguins são aves, mas não voam. Vivem em imensas colônias e nessa região da Patagônia são chamados de Pinguins de Magalhães. Havia centenas deles na pequena ilha.

…O barco atracou na areia e desligou os motores, mas ninguém poderia descer para não importuná-los. A impressão que davam é que não estavam se importando com a nossa presença, alguns pareciam até que estavam posando para as inúmeras máquinas e filmadoras, outros, mergulhavam nas águas geladas do Canal.

Satisfeitos com aquela imagem, deixamos a Pinguineira.  Pouco tempo depois o barco atracou para que um grupo descesse e continuasse em um passeio pela Estância Harberton, a primeira Fazenda da Província, fundada no ano de 1886 pelo missionário anglicano Thomas Bridges.

De volta a cidade fui para o centro, que se concentra em poucas ruas paralelas ao Canal de Beagle e ruas transversais de subidas acentuadas. Razoavelmente compacto, pode ser percorrido a pé. Há três linhas urbanas de ônibus, taxi e algumas empresas de micro-ônibus para os pontos turísticos nos arredores, como o Parque Nacional e o Glaciar Martial.

Add Comment

Required fields are marked *. Your email address will not be published.